Um homofóbico para tratar de direitos humanos

Por Ela

Sabe gente, eu cresci em meio à política em Brasília, discutindo na escola, no almoço em casa, acompanhando eleições e propostas, nomeações e ações, votando em plebiscitos, acompanhando paradas em dias cívicos, cantarolando hinos quase desconhecidos, dando a cara em passeatas, pintando a cara inclusive.

Isso tudo era parte integrante e indissossiável da minha vida e de muitos outros que cresceram à minha volta. Como adolescente nem sempre tive discernimento para abraçar as causas certas, ou para estar munida de toda a informação necessária para formar uma opinião crítica, ou ainda malícia para entender as jogadas políticas, mas de certa forma participava ativamente da formação do processo democrático nas décadas de 80 e 90.

De repente não havia mais espaço na minha vida adulta para nem sequer me preocupar em quem votar. Só não me envergonho mais por saber que este triste descaso é muitíssimo mais comum do que o contrário. Conveniente, a falta de vergonha e decoro dos integrantes do nosso congresso, é a desculpa perfeita.

E foi ficando a sensação que havia algo de nocivo na política, algo de podre no Brasil que nos envergonha profundamente. E o pior, a sensação que a grama seria muito mais verde do outro lado da cerca.

Minha vida seguiu como tantas outras à deriva da política e de seus reflexos práticos. Mas pude conhecer outros países e perceber que o Brasil está longe de ser o fim do mundo, porque os problemas que vivemos aqui acontecem também em todos os outros lugares. Em proporções diferentes, com estampas diferentes, com desencadeamentos diferentes, mas até na bela e engomada Inglaterra acontecem.

Entendi a confusa dinâmica de interesses do congresso assistindo o seriado Roma. Nossa baderna espetacular tão aclamada como nossa vergonha, tem na verdade raízes muito mais profundas na própria formação do povo latino. Acredito muito pouco na virtude nata do ser humano para aceitar que tudo isso é parte de um passado distante nos outros países.

E me envergonhei profundamente com Maquiavel e sua estratégia de conquista e submissão que permeou toda a história de formação dos países europeus e foi depois exportada para os demais continentes, quando li a incrível história de Gengis-Khan.

Apesar do repúdio, sempre a pulguinha atrás da orelha me dizia que deveria prestar mais atenção na política. Um dia pensei em montar ONG para instruir pessoas comuns a votar e fiscalizar. Na verdade eu seria a 1ª pessoa comum a ser instruída, rsrs, mas essa idéia se dissolveu e deu lugar à outras um tanto mais capitalistas.

Toda a corrupção televisionada mais fortemente desde o governo Lula foi me causando desconforto, ver os mesmos rostos condenados assumindo postos proeminentes pouquíssimos anos depois é de desanimar, mas só a nomeação do deputado pastor Marco Feliciano, ignorante e preconceituoso, para presidente da Comissão de Direitos Humanos me tirou da inércia.

Eu tenho um medozinho guardado de que forças ultra-conservadoras arrebatem a juventude e transformem o mundo num bando de robôs fundamentalistas sem senso crítico. Não é um medo infundado, se pensarmos na expansão recente das religiões alienatórias e intolerantes na América Latina, na cega flexibilização de leis de países europeus para que passem a tolerar poligamia e outras condições de submissão da mulher, tudo em nome da democracia.

Essa democracia sem senso crítico, sem preservação de condições básicas de desenvolvimento humano e sem promoção da igualdade social é palco para misturas corrosivas como de religião e política em um país laico como o nosso; ou de drogas e política como na nossa vizinha explosiva, Colombia.

Aí me apavoro quando eu vejo que à frente de um grupo feito para garantir direitos básicos do ser humano está um pastor desses que têm longos diálogos com Jesus, que pregam o esculachamento de outras religões, que proliferam o ódio à homossexuais e a discriminação dos negros, que cobram dinheiro de seus fiéis com constrangimento público e coação, que proliferam falaciosos sofismas para convencer uma plateia iletrada das suas verdades tendenciosas, que representam religiões que enriqueceram rapidamente, que vendem falsos milagres e são donas de emissoras de canais de tv e rádio, partidos políticos e de uma enorme fortuna.

Eu bem sei que a situação com essa comissão é apenas uma gota no meio de uma tempestade, e que há muito o que atacar para ter um país minimamente ético. Mas aí é o seguinte, minha gente, são duas opções:

1. Não fazer nada, porque há problemas maiores; 1. Não fazer nada, porque o país não vai se resolver com a resolução deste pequeno problema; 1. Não fazer nada, proque tenho minha vida pra tocar; 1. Não fazer nada, porque já estou na inércia de não fazer nada;

OU

2. Fazer alguma coisa para dizer que não estou dormindo, para sair da inércia, para criar o hábito, para exercer a democracia e cidadania, para gritar bem alto que ESTE SENHOR NÃO ME REPRESENTA.

Sou mulher, lésbica, solteira, ateia, descendo de negros e ganho menos que meus colegas de profissão no mesmo nível de carreira. Acredito que sou uma legítima minoria, e por isso me esbaldo do direito de dizer ESTE SENHOR NÃO ME REPRESENTA E QUERO ELE LONGE DE CAUSAS RELACIONADAS AO DIREITO HUMANO OU ÀS MINORIAS.

Que a mobilização que estamos vendo dê ou não em resultado imediato, que seja um impulsozinho para que o país se politize novamente. Que amanhã esteja me engajando em outras mobilizações contra corrupção. Que meu facebook fale tanto de política quanto de futilidades.

Eu vou fazer questão de expressar a minha indignação fazendo volume na Paulista, por mais juvenil e ingênuo que possa parecer hoje em dia exercer o direito de protestar.

 

Segundo Ato de repúdio a nomeação do deputado marco feliciano para a comissão de direitos humanos: http://www.facebook.com/#!/events/340454419387589/

 

CDHM – Comissão de Direitos Humanos e Minorias

É uma comissão permanente da Câmara dos Deputados. Suas atribuições são receber, avaliar e investigar denúncias de violações de direitos humanos; discutir e votar propostas legislativas relativas à sua área temática; fiscalizar e acompanhar a execução de programas governamentais do setor; colaborar com entidades não-governamentais; realizar pesquisas e estudos relativos à situação dos direitos humanos no Brasil e no mundo, inclusive para efeito de divulgação pública e fornecimento de subsídios para as demais Comissões da Casa; além de cuidar dos assuntos referentes às minorias étnicas e sociais, especialmente aos índios e às comunidades indígenas, a preservação e proteção das culturas populares e étnicas do País.

O principal objetivo da CDH é contribuir para a afirmação dos direitos humanos. Parte do princípio de que toda a pessoa humana possui direitos básicos e inalienáveis que devem ser protegidos pelos Estados e por toda a comunidade internacional. Tais direitos estão inscritos em textos e diplomas importantes de direitos humanos, que foram construídos através dos tempos, como são, no âmbito da ONU, a Declaração Universal dos Direitos  Humanos (1948) e, no âmbito da OEA, a Declaração Americana de Direitos Humanos (1948). O Brasil é signatário desses e de outros instrumentos internacionais, o que significa que assumiu compromissos com os direitos humanos perante a Humanidade e diante de seu povo.

Sobre a comissão: http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cdhm

Sobre a ONU: http://www.onu.org.br/a-onu-em-acao/a-onu-e-os-direitos-humanos/

 

Marco Feliciano

Deputado Federal, 2011-2015, SP, PSC. Dt. Posse: 01/02/2011

Pastor Presidente, Igreja Assembléia de Deus de Orlândia

Quem é o Deputado Marco Feliciano por ele mesmo: http://www.anonymousbrasil.com/meu-jesus-nao-foi-feito-para-ser-enfeite-em-pescoco-de-homossexual-nem-de-lesbica-diz-pastor-marco-feliciano/ (agressões à Igreja Católica a partir de 3 minutos e 10 segundos. Homofobia declarada depois de 4 minutos e 30 segundos.)

 

Manifestações:

Depoimento Jean Wyllys: http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/1241330-jean-wyllys-cinismo-cruel.shtml

Depoimento Contardo Calligaris: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/contardocalligaris/1245545-o-uso-reto-do-corpo.shtml

Depoimento Juca Chaves: http://www.youtube.com/watch?v=Fi4vbotICF0&feature=youtu.be

Mobilizações populares: http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,internautas-organizam-novos-protestos-contra-feliciano,1007302,0.htm

Pedido de cancelamento da eleição: http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,partidos-pedem-que-stf-cancele-eleicao-de-pastor-nos-direitos-humanos,1007758,0.htm

 

Por Ele

Achei o depoimento Dela muito completo e, apesar de andar muito ocupado com meus afazeres profissionais e pessoais, pude ler nas páginas amarelas da Veja, umas duas semanas atrás, a entrevista com o Marco Feliciano.

As certezas desse homem, não muito diferentes de Malafaia, são tão estapafúrdias que praticamente os sinto como personagens de um seriado de comédia latina numa festinha de vila com o Tiririca. Assisti-los em algum programa de entrevista ou lê-los em algum canto de um jornal fortalecem essa característica de ser brasileiro, das posturas e caráter líquidos, dessa nossa tendência cultural de relativizar tudo, onde o bem e o mal, o certo e o errado dependem de pontos de vista e a nossa “espinha dorsal” cultural e ética se forma repleta de viés; é o viés dos religiosos, das classes abastadas, da massa popular silenciosa, da classe média que vive em crise por ser média/medíocre, dos negros, dos gays e assim por diante, como uma país qualquer de terceiro mundo, das diferenças e das células sociais completamente isoladas que raramente se misturam.

Ontem, um grupo de amigos gays da classe média-alta (ou que visam transparecer esse nível) ficou criticando os crentes da frente da minha empregada (evangélica), que trabalha na minha família a mais de 25 anos. Vale mais a mim o fato dela ser crente ou da confiança de mais de 25 anos?

Semana passada estive no consulado americano para tirar meu visto. O esquema continua rigoroso, algo lendário e até assustador, embora o brasileiro seja o estrangeiro que mais consome nos EUA e possivelmente a rigidez caia por causa disso.

Durante o percursos das filas para o visto – que aliás estavam muito bem organizadas e agilizadas – conheci uma designer, brasileira, tirando pela primeira vez o visto e aflita (ou ansiosa) pela “aura” que existe entre nós, de se adquirir nossa validação americana. Reparando aquela massa popular, que reunia os oportunistas atrás do subemprego, as dondocas frenéticas por compras, o casal jovem e moderno, um gay como eu, meu namorado na fila seguinte e uma designer autônoma como a moça que acabara de conhecer, tirei do pensamento uma ideia que surgiu em complemento a uma afirmação da menina. Ela, em pequenos surtos de nervosismo lança assim: “Eu no fundo acho que o esquema precisa ser rigoroso assim. As pessoas passam a respeitar e valorizar mais”.

Eu: “Realmente. E o que acho interessante é que nesse exato momento, no meio dessa multidão enfileirada, somos todos iguais. Não será a riqueza de um magnata nessa fila que vai garantir a aprovação de seu visto. Estão todos aqui, iguais, ‘submissos’ a uma necessidade”.

A mim, o que falta para esse nosso país é um senso de unidade. Tiriricas, Felicianos, Malafaias, Silvios (Santos), Hebes, Xuxas, Bundas, Fanfarronices são – cada um pelos seus feitos e representação perante seus seguidores – subprodutos dessa nossa cultura amórfica , latina e plural. O Brasil é um país de blocos, células e núcleos que se refletem no entretenimento, na cultura e, não seria diferente, na política também. Mas raramente essas células se entendem ou trocam fluidos.

No quesito Feliciano, o país me parece equivocado pelo simples fato desse homem não representar em nada meus valores, meu senso e o que entendo de ético. Mas há quem compre e que inclusive o colocou onde está.

Longe de mim querer defender ou articular a favor dessas figuras populares, alegóricas e caricatas. Mas não vejo tanta diferença quando noto aquele jovem burguês ou empresário que faz questão de gastar mais de 100 mil reais em um Mini Cooper para – na realidade – apresentar ao mundo Brasil sua potência de diferenciação de classe. Esse carro, lá fora, não sai mais de 10 mil dólares.

O rico no Brasil paga em automóveis 4 ou 5 vezes mais que um americano ou um japonês pelo simples poder da aparência, da vontade da diferenciação sob esse solo, sob as vistas por onde ele passa. A massa de crentes pedrominante no país – mas fora da minha célula – aprova o Malafaia. Políticos do caldo da latinidade dão o tal cargo para o Feliciano.

Não existe essa unidade porque o brasileiro não quer olhar para o lado. O pobre se enruste no orgulho de ser trabalhador e o rico quer assumir cada vez mais um status que o diferencie. Disso, nascem os Malafaias, os Felicianos, as Bundas e tudo aquilo que a gente entende da latinidade brasileira.

A mim, Feliciano é só consequência de nós mesmos, do que somos, avessos a encarar esse país como uma unidade, com políticas e métodos que nos dêem acessos mais iguais, que tragam recursos de maneira mais comum a grande maioria dos brasileiros.

Recentemente larguei uma cliente. Há um tempo atrás ela já havia manifestado um certo repúdio aos gays. Passou. Mas há um mês atrás, bela, esbelta e classificada (sob seus próprios critérios) fez uma viagem para NY (como faz pelo menos duas vezes ao ano). Ficou estarrecida ao perceber que ao seu lado, no avião, existia uma família de classe C, de trajes mais simples e que levavam travesseiros à bordo. Achou aquilo um absurdo, se sentiu desvalorizada.

Absurdo é saber que tem brasileiro que se sente assim.

Trans-Homem, Trans-Mulher, violência e outros bichos

Por Ela

Já parou pra pensar com a cabeça de uma pessoa que se entende habitante de um corpo equivocado?

Sufocar sentimentos, desejos e sonhos pra tentar seguir os malucos padrões sociais e quando o forjado parceiro tira a roupa, sentir uma inveja paralizante do seu corpo de homem?

Parece talvez como uma lente de aumento extremamente forte na questão homosexual gay e sapatão. Um desconforto coma própria condição, um não aceitar-se como os outros esperam que você se porte ou se vista. Mas tudo isso extremamente maior, porque o desconforto nem precisa ser do outro, ele está em você, no espelho, na voz, na manifestação do hormônios.

Eu não “sei” na prática o é tudo isso, também não tenho contato próximo com essa realidade. E de repente por isso mesmo tenho uma curiosidade enorme de entender melhor essas pessoas, e vez por outra encontro algumas dessas historias que vou tentando montar no meu quebra-cabeças.

Uma das mais intrigantes pra mim foi uma reportagem bastante longa que a BBC fez com um rapaz que virou moça, que mais tarde viraria rapaz de novo. Este homem de uma tradicional família árabe, casado, pai de 2 meninos, se descobre envolvido por amigo. Na época já aos 20 e poucos anos. Se assume gay, já dá pra imaginar os problemas que enfrenta só aí.

Passados alguns anos de sua vida gay, sentindo-se ainda incompleto, errado, infeliz, faz a operação de trans gênero. É agora uma mulher árabe, enorme, desajeitada e solteira. Sim, seu companheiro a abandona após a cirurgia.

Vive mais alguns anos como mulher e, chega ao mesmo tempo à conclusão de que se equivocou ao fazer 1a cirurgia, e também se dá conta de que a vida como mulher é muito mais difícil.

Confesso que ri muito nessa hora. Queria que todo homem e mulher pudesse assistir a essa parte do depoimento pra entender onde estão os problemas que ninguém percebe, as dificuldades que, inseridas na vida cotidiana, passam desapercebidas.

Mas voltando ao nosso tema, eu fiquei intrigadíssima com a vida desta pessoa. Com a perturbação da sua cabeça, com a coragem das decisões que tomou, com todo o resto que imagino porque não coube na reportagem.

Alias, a própria vida depois da reportagem, pois ela estava com tudo agendado para novamente ser ele.

Essa história muito louca fica cozinhando na minha cabeça enquanto eu fico tentando entender. Enquanto isso aparecem trans-homens que engravidam, trans-homens que se vêem gays, trans-mulheres exageradamente femininas. E, cada um com a sua história, tem uma dor profunda em comum e muita coisa pra dizer.

João W. Nery é uma dessas pessoas que tem muito a dizer. Trans-homem de 61 anos, divididos matematicamente como mulher e homem. Além de tudo, um pensador, um psicólogo, um escritor. Um homem culto.

Esse cara lançou uma questão genial que queria muito propor aqui: o heterosexual precisa do “fora do padrão” para que ele mesmo seja considerado “o padrão”. Assim, o gay, a lésbica, o transexual, etc, etc, etc, são necessarios à condição de normalidade do heterossexual.

Se o “errado” precisa ser corrigido ou, paradoxalmente, eliminado, a violência contra os gays e trans não só se justifica como é também aplaudida por uma sociedade doente.

Vão dizer que estou exagerando. Mas aplaudir pode ser simplesmente fazer silêncio. Ouvir ou assistir impassivo à uma violência qualquer é como ser conivente com o crime. Basta fazer uma busca rápida para perceber que há um volume enorme de violências em nome da tal heterosexualidade “normal” por aí.

Então me parece que mais do que justificar a tal normalidade, somos também como um saco de pancadas animado, um video-game vivo. Porque muito se vê a respeito da violência contra os gays, trans, heteros que parecem gays, mas não muito respeito das punições. Tal como nos vídeo-games.

Recomendo: http://www.youtube.com/watch?v=tTqa5BgmEog&feature=youtube_gdata_player

Por Ele

Normalidade ou identidade. Prefiro dizer naturalidade. O vídeo que a querida Ela fez a crítica acima, dos 30 anos como trans-homem (ex mulher que virou homem) de João W. Nery mostra que os conceitos sociais de gênero (masculino e feminino) e sexo (homem e mulher) são formados pelas bases da heterossexualidade. Valores seculares que estão mudando a medida que nos desprendemos de modos tradicionais, morais e religiosos que não mais se aplicam à vida contemporânea, do hoje. Diga-se “vida contemporânea” aquela que possibilita a difusão da informação, de um reconhecimento plural da humanidade e que retoma ou enxerga pela primeira vez o ser humano acima de classificações antiquadas que a própria sociedade formou.

Os seres humanos pela necessidade de sobrevivência aprendeu em tempos remotos que o convívio social, em grupos, o tornariam mais hábeis e aumentariam as chances da sobreviência contra os inimigos naturais e outros grupos rivais que disputavam pela sobrevivência ou valores de poder. Só que com essa aglutinação, para criarem regras e condutas entre os próprios indivíduos, foram definidos valores, conceitos, políticas, hábitos, modos e cultura para que a própria sociedade se concebesse e se preservasse no próprio estado de sociedade. Nesse processo, na questão de sexualidade, a heterossexualidade que parecia garantir uma segurança em um mundo de muitos rivais numa luta constante pela sobrevivência, possibilitaria a perpetuação da própria sociedade. Nada mais natural e óbvio num cenário de desespero para sobreviver.

Esse modelos tiveram poucas variações e definitivamente se perpetuou por gerações e milênios. O que acontece é que nessa sociedade contemporânea o sentido visceral de sobrevivência está cada vez mais distante. Pois bem, se é assim, o que de fato as outras sexualidades que não a heterossexualidade podem causar à sociedade, mesmo que ela ainda preserve a necessidade de sobreviência e poder? Com a clareza e informação que temos hoje, vindas da ciência, da sociologia e das próprias relações diárias de um indivíduo perante a própria sociedade, sexualidade diferente da heterossexualidade reprodutória não quer mais dizer enfraquecimento ou, muito pelo contrário, a compreensão e a inclusão da diversidade numa sociedade contemporânea representa mais força. Principalmente nessa sociedade globalizada com tanta gente!

Abstraindo: essa coisa da preservação da espécie, ou da própria sociedade, me cheira forte o cheiro de grupos construídos por traumas de perdas, de entes, filhos e amigos que morriam inicialmente nos processos naturais, nas bocas de predadores e depois nas mãos de rivais até bem recentemente. Em outras palavras, o trauma ou o medo da desgraça era forte e movia a própria sociedade a se formar. Hoje não precisamos nos pautar mais nesses medos para nos entender em sociedade.

Utopia? Talvez, mas uma maneira bem resumida de alguns por quês das coisas serem o que ainda são hoje.

Pouco se pára para pensar do por quê de seguirmos modelos, métodos e regras e essa inércia acontece diariamente em nosso universo íntimo, nas famílias e no cotidiano. Por que afinal de contas uma mulher precisa casar de vestido branco na igreja, perante um padre idolatrando o altar sendo que muitas delas nem são mais efetivamente católicas? [Valorização do clássico]. Por que temos que louvar por um Jesus iluminadamente branco, de olhos claros, aloirado digno de um top model das passarelas do SPFW, cuja imagem idolatrada se formou pelo Renascimento? [Alienação pelo poder do belo]. Por que temos que acreditar no Papai Noel de roupas vermelhas, que nos visita todos os finais de ano, que em sua origem vestia-se de azul e foi a Coca-Cola que o tingiu de vermelho para associá-lo a marca? [Consentimento da manipulação].

Eis alguns hábitos culturais, dentre muitos outros que raramente paramos para pensar, que herdamos a milênios dessa sociedade que precisava se fortalecer. E nesse fluxo, de Jesus top model, noivas não católicas mas dentro de vestidos brancos e papai noel azul, levanto a questão: por que tão e somente a heterossexualidade? Para nos manter numa condição de procriação e perpetuação da espécie em situações constantes de ameaças? Para nos proteger do medo da perda, da desgraça e da diluição da força da coletividade?

Gente, esses valores se foram a milênios! Mas teimosos, tapados ou conformados com a sociedade da inércia seguimos. Ser gay, trans e bi exige um espírito crítico talvez maior do que aqueles que cumprem o menu social. Nos cobramos mais (ou é isso que se espera) para compreender os por quês de estarmos fora das “regras” e entender para onde devemos ir se é nosso interesse fazer parte das regras.

Muito do que estabelecemos a séculos atrás ainda são alicerces para hoje. Mas será que precisa? Creio que não. Podemos até devanear, afirmando que a sociedade atual é tão predatória como foi no passado. Mas não é bem assim. Não precisamos caçar com machadinha e defender o quadrado na base da porrada porque o vizinho pode roubar a plantação de cenoura! Pelo menos não deve ser assim nos países ou microcosmos mais evoluídos. Fora disso é estagnação, que também é uma condição humana.

Me parece que vivemos num universo muito mais apto a oferecer do que tomar posse, mas a tendência é querer enxergar o lado vazio do copo. Antigamente, as pessoas se apossavam dos terrenos para construir feudos. Apossavam na base do facão. Matavam “bruxas” porque desenvolviam remédios fitoterápicos e homeopáticos.

No tempo do meu pai, compravam terrenos como investimento e um tipo de garantia de status ou garantia para a velhice. No meu tempo e um pouco mais recentemente, o jovem anda pensando diferente. O jovem tem serviços a sua disposição de pousadas, hotéis e resorts. Os jovens coletivizam aluguéis de apartamentos e quiçá, muito em breve no Brasil, comprem juntos formando famílias de amigos e não famílias heterossexualizadas no modelo “propaganda de margarina”.

O mundo está mudando ou pelo menos busco viver essa parcela da mudança que não são poucos e não são somente gays, lésbicas e trans. Gosto da parcela desapegada que se enobrece em contraponto ao modelo de riqueza que definha. Obviamente o mundo é vasto e tem espaço para todos os jeitos. Eis o olhar: todos os jeitos que não quer dizer anarquia nem jogar todos os séculos de formação de sociedade fora.

Nesse fluxo de abstração, reflexões e pensamentos, primeiro vêm o “olhar mais natural” aos/às gays e depois aos trans. Não porque gays, como eu, são mais privilegiados. Mas porque numa escala de choque social, estético, ético, que inclusive inclui a transformação das próprias genitálias, o trans precisa martelar mais nessa sociedade da inércia (que odeia sair do tradicional) para a conquista de inclusão. Mudar os movimentos para o que aparentemente já funciona a milênios sempre vai dar mais trabalho. O que funciona há tanto tempo acomoda e exige muita clareza e disposição para mexer. É o mesmo que a lógica do novo ser mais capaz de mudar que o velho. Mas posso dizer que se existe necessidade todos mudam.

Continuo otimista acreditando que o antigo seremos nós, gays e trans. Em outras palavras, um dia seremos os contrários as novas ondas evolutivas porque deu tanto trabalho para ser assim. É tão seguro estar assim, por que temos que mexer? Achar que nos resumimos ao que somos, sem aceitar o que vier de novo, é o passo para aceitar a nossa própria condição de inércia.

Dilma presidenta. O que isso quer dizer para nós, gays e lésbicas?

Por Ela

A Dilma foi eleita em 31 de Outubro de 2010 em meio a muito tumulto, uma época de escandalosos casos de corrupção, baixo ao apoio, sem dúvida decisivo, do então Presidente Lula.Dilma assumiu a presidencia num cenário em que comprovadamente as mulheres ainda ganhavam menos que os homens e ocupavam menos os cargos de liderança. Um significativo exemplo desta desigualdade está estampado no Congresso Nacional: em 2010 das 513 cadeiras disponíveis na Câmara Federal, apenas 43 era ocupadas por mulheres. Já no Senado, a representativade feminina tem em 2011 apenas 12 representantes, de um total de 81 senadores.

É inegável que o Brasil deu um passo importante no sentido da redução das diferenças entre homens e mulheres quando elegeu a nossa primeira presidenta. É importante entretanto, que entendendamos as diferenças a que nos submetemos especialmente no mercado de trabalho, para que este fato hoje inédito possa se tornar corriqueiro.

Sabe-se também que a presidenta traz abertamente na agenda o objetivo de melhorar a posição da mulher na sociedade. E notórias ações práticas são tomadas neste sentido, como exemplos a mudança que ela fez no programa Minha Casa Minha Vida para beneficiar as mulheres, a nomeação de 9 mulheres para a liderança de Ministérios e para a presidência da Petrobrás, a maior estatal brasileira.

A eleição de uma mulher na presidência de um país como o Brasil é por si só de uma importância monumental, pois que desperta à consciência de homens e das próprias mulheres que elas podem desempenhar qualquer papel na sociedade.

Este é sem dúvida um fato histórico, mas não só o que Dilma alcançará num período tão curto sobre um cenário arraigado há tantos séculos, como também o como isso vai realmente impactar a sociedade a médio e longo prazo é ainda uma incógnita.

Já quanto à questão gay, a posição da presidenta não é clara e a sua atuação controversa. Um grande exemplo que a nossa presidenta não sabe muito bem como lidar com esta questão é o controverso “Kit Gay” proposto para instruir crianças de 1º grau sobre a homossexualidade, que ajudaria a formar cidadãos conscientes das diferenças e portanto menos preconceituosos. Esta iniciativa gerou obviamente muitas reações dos grupos claramente homofóbicos, mas também muitas críticas quanto à abordagem e insinuações sobre a intenção de incentivar a conduta gay (umpf…).

A presidenta reagiu e alterou a proposta, mas por fim sucumibiu às pressões e a proposta foi vetada. Ao mesmo tempo que fala em seus discursos sobre o tabu da orientação sexual e se diz à favor do casamento gay, a inconsistente presidenta veta o kit gay e o anúncio gay do ministério da Saúde voltada a homossexuais jovens.

Eu me lembrava vagamente de ouvir insinuações sobre a sexualidade da presidenta, e fui à minha enciclopédia favorita para confirmar. E lá estavam dois episódios muito simbólicos:

1. O deputado Jair Bolsonaro num discurso vergonhoso em 24 de Novembro de 2011 diz “Dilma Rousseff, pare de mentir. Se gosta de homossexual, assuma. Se o teu negócio é amor com homossexual, assuma. Mas não deixe que essa covardia entre nas escolas do primeiro grau”.

Bom, assim como outros absurdos nesse país, não consigo entender porque este senhor que externa publica e veementemente seu preconceito ainda não foi indiciado.

E não posso deixar de compartilhar também a reação louvável do deputado Alfredo Sirkis: “O que nós ouvimos aqui hoje foi novamente um discurso de ódio, um discurso de preconceito, um discurso inclusive que, se eu entendi direito, faltou com o decoro parlamentar ao fazer insinuações a respeito da própria presidente da República. A opção sexual de qualquer ser humano, deputado, é uma questão de foro íntimo desse mesmo ser. E todos nós temos o mesmo direito perante a Constituição”.

2. O segundo episódio foi ainda em campanha quando um grupo de reporteres cercam Dilma em Teresina e alguém lá do fundo pergunta sem rodeios “A senhora é homossexual?” como se esta fosse uma questão de suma importância a uma candidata da república. A resposta de Dilma não foi das mais hábeis, tenho que dizer, dando a entender que o fato de ser mãe e avó a “imunizasse” de tal acusação. Na minha imaginação, eu adoraria ver uma mulher segura chamando à luz o limitado indivíduo:

“- Quem fez a pergunta, por favor, queira se aproximar.
Silêncio
– Muito bem, meu filho. Qual é mesmo o jornal que você representa? (expondo a credencial). Reparo que num momento tão importante como a eleição à presidencia do seu país, seu jornal tem oportunidade de explorar questões críticas para o país, mas você se mostra mais interessado na minha orientação sexual.
Lamento e posso supor que você não esteja familiarizado com o termo respeito. Entretanto o que realmente me intriga é que um veículo de informação tenha tão pouco interesse na vida pública do país, e fico muito preocupada com a qualidade da informação que veiculada pela instituição a que o senhor representa.
Se prepare melhor, meu filho, talvez na próxima oportunidade você possa fazer um trabalho melhor.”
Mas será que não rolou algo mais assim justamente porque a presidenta não está nada à vontade e segura com o tema?Fico me perguntando se estaria ela como milhares de colegas numa luta interna para esconder a própria homossexualidade, ou intrinsecamente é ela mesma homofóbica.

Qualquer que seja a condição da presidenta Dilma, no frigir dos ovos ela falhou com a comunidade gay e parece que não conseguirá dar apoio consistente à redução da homofobia como tem conseguido à outras minorias e questões delicadas.

Por Ele:

Fico bastante interessado em perceber as mudanças de percepção da sociedade brasileira durante o mandato de nossa presidente Dilma.

Tudo que tenho visto, ou pelo menos a maioria, numa briga firme para colocar seus ideais e projetos sem se apropriar da sombra do antecessor Lula, tem me agradado bastante.

Firmeza na postura e praticidade não é coisa nem de homem nem mulher, mas é coisa de caráter, personalidade e bastante segurança, afinal, para tangibilizarmos nossos ideais e fazermos outras pessoas apostarem e executarem por nós precisamos estar muito certos do que queremos e de quem buscamos ter ao nosso lado para que a fidelidade nas relações façam valer e façam acontecer o que temos como objetivo.

Administrar essa “empresa Brasil” é de fazer qualquer presidente americano refletir em suas reais capacidades. Uma coisa é administrar um país que já vive um fluxo de crescimento, sentido de pátria de seus cidadãos e uma homogeneidade maior de valores.

O Brasil é um país de muitas cores, costumes e valores diferentes. O país é gigante e existem lugares que ainda as vozes de uma liderança governamental ecoam com mais ruídos e dificuldades.

Mas o fato da Dilma ser uma mulher me agrada bastante. Não foi nela em quem votei, mas quando soube de sua vitória nas urnas, a primeira coisa que pensei foi “fundamental é dar o crédito para a Dilma e ver como caminhará com seu governo sem julgamentos precipitados”.

Tenho gostado e independentemente de sua intimidade, de sua sexualidade que como presidente não me interessa, uma mulher no poder aliada a outras mulheres para fortalecer o lastro de sua governança e homens que estão descobrindo como respeitar uma na mais responsável posição de um indivíduo perante um país, tem me passado confiança.

Como microempresário, que atendo mensalmente dezenas de caras novas, homens e mulheres, tem me agradado as referências das mulheres no geral, donas de seus negócios que tenho atendido e conhecido, suas dinâmicas perante empresa e funcionários, a facilidade impressionante para articulação, sem reticências, a espontaneidade misturada com objetividade, e a forte capacidade de trabalhar tão intensamente como qualquer pessoa que quer ver desdobramentos efetivos de seu trabalho.

Eis os referenciais próximos e frequentes que tenho de mulheres na liderança, e não é diferente da percepção que tenho da Dilma.

É um país que tende a dar certo pois existem muitos potenciais a serem explorados. Dilma é a evolução de Lula que foi filho de FHC. A política construtivista deve permanecer no meu ponto de vista.

Os benefícios de tudo isso recaem em nossas realidades, como gays e lésbicas. Uma sociedade mais preparada, mais esclarecida, mais madura e com mais acesso a informação e ao desenvolvimento tende a fragmentar os mitos, os preconceitos e os próprios paradigmas.

Depende também de nós nos politizarmos um pouco mais ou pelo menos entendermos conceitos, sentido de direitos e senso de nação. Uma nação tão diversa como o Brasil, se de valores de base em comum consolidados, tende a ser um dos países mais ricos do mundo, não da riqueza material somente que é fundamental para a sustentabilidade óbvia, mais ricos de tolerância e sabedoria.

A presidente faz de cima para baixo. Nós devemos fazer de dentro para fora.