Gays e lésbicas – As formas das manifestações sociais

Por Ele

A Parada LGBT todos os anos ganha os holofotes aqui em São Paulo, numa busca incansável de bater o recorde mundial para ser a número um em quantidade de pessoas. Esse ano deu até bafafá: organizadores contabilizaram 4 milhões de pessoas e a Datafolha não mais de 300 mil. A briga do cabelão se fez, nessa nossa vontade extrema de quantificar pessoas e exalar ao mundo que São Paulo – todos os anos – concentra o maior número de lésbicas, gays, trans e simpatizantes por meio dessa grande e popular manifestação.

Recentemente no meu Blog Minha Vida Gay apresentei um “olhar utópico” pontuando diversas frentes para a busca de nossa tão sonhada emancipação. Me embasei contestando o texto do colunista JR Guzzo que foi publicada na revista Veja da semana passada e uma das ideias que descrevi no post foi sugerir jeito diferente para a Parada LGBT de São Paulo: todos de calça jeans e camiseta, sem a euforia das caixas de som, sem a bagunça, a sujeira e a promiscuidade. Uma caminhada que trocasse a a alegria e a dispersão pela sobriedade e atenção.

Nesse contexto, um dos leitores mandou um e-mail apresentando como o movimento em Cingapura funciona. Trata-se do “Pinkdot – Supporting the freedom to love”, ou Pinkdot – Apoiando a liberdade para amar. O conceito já começa diferente: está no amor e não na sexualidade em si.

Eis o vídeo:

Com a exceção da cor rosa da identidade da manifestação que, do ponto de vista da cultura ocidental, é cheia de referências femininas, delicadas (ou gays), a forma da manifestação que acontece anualmente em Cingapura é um outro (e novo) tipo de referência que não estamos acostumados por aqui.

Embora muitos dos ativistas brasileiros ou porta-vozes do movimento entendam que o formato de nossa parada traga uma repercussão perante a sociedade, me questiono o quanto desse modelo de “carnaval” é de resultados efetivos. Efetivos, no sentido de conscientização social, receptividade e inclusão dos valores da homossexualidade no contexto familiar. A mim, o que me parece importante é uma receptividade e atenção do núcleo familiar, fundamentalmente.

Para quem estuda assuntos relacionados a estética e a ética da estética, sabe muito bem que a forma de se manifestar muitas vezes define o sucesso da absorção da mensagem. Meu pai, por exemplo, que mantém alguns limites para conviver com a minha realidade homossexual, todos os anos acha engraçado o movimento da parada na região da Paulista e do centro.

Veja bem, “achar engraçado”, no meu ponto de vista, não é reação que eu sinceramente gostaria num processo de esclarecimento e inclusão que a Parada LBGT tivera em sua origem! Graça ou humor talvez sejam reações de uma boa parte das pessoas, no momento que a parada é uma forte ferramenta e que deveria trazer outros tipos de reação, como a reflexão e a conscientização.

O vídeo de Pinknot fala por si:

– Focam no amor e não no sexo;

– Estabelecem um diálogo audível e compreensível entre gays e heterossexuais;

– É uma manifestação muito mais de paz, atenção e convergência do que fervo e multidão;

– Todos vestidos iguais, me parecem muito mais convergentes;

– Na situação as pessoas conversam e apresentam pontos de vista, ao contrário do que ouvimos por aqui de barulho, embriaguez e graça;

– Não existe exibicionismo propriamente.

Poderíamos falar que essas coisas de ideologia por meio de manifestações organizadas e de efeitos sociais acontecem apenas nos países de primeiro mundo. Mas veja bem que Cingapura está longe de ser um país rico e de primeiro mundo!

Temos uma mania cultural de querer contabilizar quantidade. Como micro empresário que trabalha com a visibilidade dos meus clientes na web, quantas não foram as vezes que tive que sentar e explicar repetidamente que mais vale 10 potenciais clientes interessados entrando em contato do que 1000 visitando o site apenas quantificando o número de visitas?

Mas essa é a cabeça do brasileiro no geral. Não importa muito quem vá, quem compareça e quem se manifeste na Parada LGBT. Importa mais a quantidade sem necessariamente um efeito de repercussão social, de transformação, de resultados. Vale a quantidade para “competir” com as outras paradas do mundo e continuar com um discurso que nem precisava mais tanto: “vejam, somos muitos”.

Ok, somos muitos e acho que muita gente já sabe disso. Mas como fazer, por exemplo, para a homossexualidade ser ensinada nas escolas, no processo de formação de crianças e adolescentes? Não teríamos que começar a dar esses passos? Como fazer para os pais entenderem mais da diversidade e aceitarem com mais naturalidade as possibilidades de orientação de seus filhos?

Será que os líderes dessas manifestações saberiam dizer?

Por Ela

Eu confesso que o tema me divide. Concordo com todos os pontos negativos  ressaltados por Ele, e até acredito que poderíamos influenciar mais com menos gente transmitindo a mensagem correta. Mas não acho possível dissociar um evento público do contexto sóciocultural.

Vamos pra Cingapura? É preciso propor uma viagem mesmo, porque estamos falando de uma vida tão diferente da nossa que até parece uma ficção científica.

Imagina um lugar onde homossexualidade ainda é crime, que sexo oral é punido com multa de 5 mil dólares, e o sexo anal com prisão. Onde as pessoas de tão fechadas, não se tocam.

É bonito imaginar que os gays de lá são mais politizados e conscientes que os gays daqui. Mas meu lado incrédulo acredita apenas que eles são muito mais reprimidos que nós.

Agora vamos lembrar quem somos. O país do carnaval. E não à toa eu começo por isso. É preciso lembrar que já nos idos e contidos anos 30 de Noel Rosa, os homens e mulheres de bem já se permitiam celebrar a vida sem razão e se entregar à alegria. É desse povo leve e ligeiramente irresponsavel, de risada fácil, que saem os gays.

Nossa galera faz parte disso também. E é muito natural que no país dos homens héteros vestidos de mulheres horrendas em Fevereiro, os gays se joguem extravagantemente também.

E pára, não me permito estampar um carimbo de puta ou de alienada nem por um fato por nem outro.

É verdade que o carnaval não vai conscientizar ninguém. Mas tudo o que acontece lá é expressão desse país, dessa cultura e, também nossa.

MAS ! ! !

É APENAS uma parte de quem / do que nós somos. É meio limitado pensar que é somos feitos só disso.

Talvez seja mais comum com as mulheres, mas vou me arriscar com um exemplo. Alguém aí já ficou puto ao ouvir uma insinuação gringa maliciosa que generaliza o Brazil das mulatas?

Bom, eu já me indignei muitas vezes. E é a mesma indignação que me revolta na visão míope de quem prefere enxergar o homossexual como um estereotipo engraçado, e não como um pessoa inteira.

O preconceito está nos olhos de quem vê, caríssimo.

Por isso eu proponho viver sim o carnaval num dia e no outro quem sabe bater panelas num movimento politizado e consciente pelos nossos tão esquecidos direitos.

Permita-se! Borá? Eu topo!

Advertisements

Bate papo entre uma lésbica e um gay – Dias que passam lentos

Por Ela

Por vezes a tensão ocupa os espaços vazios entre as meninas. Às vezes é difícil dizer como ou porque a coisa começa a ser tensa, as coisas se misturaram tanto que fica difícil dizer onde termina um bico e onde começa o outro. Esses momentos batem, desaparecem, re-surgem como uma fênix das cinzas, se diluem num sorriso de abraço apertado, numa troca de confidências. O relacionamento vai ficando mais gostoso quanto mais intimidade se alcança, os ponteiros vão se acertando e os problemas vão tomando uma dimensão mais real.

Mas de um jeito ou de outro todo relacionamento é por vezes tenso, todo relacionamento meu é por vezes tenso, ou comigo tudo é por vezes tenso. Ando com a impressão de que não sou uma pessoa fácil, rs. Eu requeiro manutenção da braba!

Vou encerrar por aqui a sessão terapia, concluindo que todo mundo tem as suas dificuldades com relacionamentos e encontrar duas pessoas 100% compatíveis é um lindo sonho.

A realidade é que manter um relacionamento saudável e equilibrado exige um bocado das vidas em questão, além de uma boa dose de compreensão e paciência.

Tenho certeza hoje que a verdade de novela que o amor é tudo que se precisa numa relação é uma boa balela. Na vera, esse trem de estar junto te exige muito mais. Claro começa com um bem-querer muito grande, que aos poucos ou de enxurrada se transforma em um lindo campo florido chamado amor, mas depois disso, caríssimos, é trabalho pesado.

E não estou falando só da interação com a outra pessoa, mas também do equilíbrio entre as demandas pessoais e do namoro. Isso pode ser uma formidável fonte de problemas e de frustrações.

A mim sei que falta um tanto pra balancear direito as demandas do namoro com as minhas demandas pessoais.

Quero meu tempo, mas eu mesma não respeito isso. Como é tão bom estar junto, troco as minhas coisas e o meu tempo por essa companhia. Aos poucos abandono minhas ditas prioridades e isso silenciosamente me custa.

A namorada faz o mesmo, e sem perceber jogamos no namoro um peso por essas coisas pessoais, o que nos custa alguns mal entendidos.

Em raros momentos onde me permito olhar as coisas com imparcialidade, me dou conta claramente do confuso que é conciliar sonhos e rotinas que as duas mulheres crescidas tem.

Duas mulheres crescidas com vidas independentes tem mais problemas é claro do que quando uma vive a vida da outra, ou quando, em simbiose, ambas vivem uma vida hermeticamente fechada do resto do mundo.

Eu não vou desistir da relação de equilíbrio entre duas crescidas. Afinal as outras formas são fantasias de alegria e facilmente escondem ainda mais frustrações e problemas. Além do mais, garotas e garotos, as crescidas são infinitamente mais interessantes.

Meu barato vai ser treinar pra quem sabe um dia saber cuidar bem do meu amor sem me deixar de lado. E no meu sonho, ela fará o mesmo. Puro equilíbrio e sabedoria no mundo fantástico d’Ela.

Por Ele

O que admiro NElas, no geral, e nesse caso na representatividade d’Ela, é como os valores de persistência, paciência e perseverança se aplicam bem quando o assunto é relacionamento.

O homem gay, preconceituosamente, resume essas questões de perseverança para a relação como D.R. Mas discutir a relação as vezes faz parte, não é verdade? Discutir a relação é ajustar ponteiros, não ser omisso à própria relação e – inclusive – é sinal de que o relacionamento tem uma importância.

Acontece que o gay vende uma imagem do “desapegado”, do livre e daquele que não precisa de um companheiro. Lança muito da necessidade de companhia nas amizades gays e, inclusive, vira e mexe mistura amizade franca com paixão enrustida. Mas porque é isso: homem gay precisa seguir nessa linha livre e desapegada e, por outro lado, acaba ficando e até transando com amigos quando bate “aquela carência”.

Para mim, são questões de conceitos. Amizade é um pilar, paquera é outro e namorado é um terceiro. Isso é questão de conduta, e até de respeito ao outro e respeito a si.

Gays são bons, no geral, para depositar valores de persistência e perseverança no trabalho mas pecam bastante quando a ideia é o companheirismo.

De certa maneira, invejo Ela pela predisposição e abertura para viver relacionamentos. Sejam as discussões de relação ou as flores, sejam os altos e baixos, isso é se relacionar.