Bate papo entre uma lésbica e um gay – Dias que passam lentos

Por Ela

Por vezes a tensão ocupa os espaços vazios entre as meninas. Às vezes é difícil dizer como ou porque a coisa começa a ser tensa, as coisas se misturaram tanto que fica difícil dizer onde termina um bico e onde começa o outro. Esses momentos batem, desaparecem, re-surgem como uma fênix das cinzas, se diluem num sorriso de abraço apertado, numa troca de confidências. O relacionamento vai ficando mais gostoso quanto mais intimidade se alcança, os ponteiros vão se acertando e os problemas vão tomando uma dimensão mais real.

Mas de um jeito ou de outro todo relacionamento é por vezes tenso, todo relacionamento meu é por vezes tenso, ou comigo tudo é por vezes tenso. Ando com a impressão de que não sou uma pessoa fácil, rs. Eu requeiro manutenção da braba!

Vou encerrar por aqui a sessão terapia, concluindo que todo mundo tem as suas dificuldades com relacionamentos e encontrar duas pessoas 100% compatíveis é um lindo sonho.

A realidade é que manter um relacionamento saudável e equilibrado exige um bocado das vidas em questão, além de uma boa dose de compreensão e paciência.

Tenho certeza hoje que a verdade de novela que o amor é tudo que se precisa numa relação é uma boa balela. Na vera, esse trem de estar junto te exige muito mais. Claro começa com um bem-querer muito grande, que aos poucos ou de enxurrada se transforma em um lindo campo florido chamado amor, mas depois disso, caríssimos, é trabalho pesado.

E não estou falando só da interação com a outra pessoa, mas também do equilíbrio entre as demandas pessoais e do namoro. Isso pode ser uma formidável fonte de problemas e de frustrações.

A mim sei que falta um tanto pra balancear direito as demandas do namoro com as minhas demandas pessoais.

Quero meu tempo, mas eu mesma não respeito isso. Como é tão bom estar junto, troco as minhas coisas e o meu tempo por essa companhia. Aos poucos abandono minhas ditas prioridades e isso silenciosamente me custa.

A namorada faz o mesmo, e sem perceber jogamos no namoro um peso por essas coisas pessoais, o que nos custa alguns mal entendidos.

Em raros momentos onde me permito olhar as coisas com imparcialidade, me dou conta claramente do confuso que é conciliar sonhos e rotinas que as duas mulheres crescidas tem.

Duas mulheres crescidas com vidas independentes tem mais problemas é claro do que quando uma vive a vida da outra, ou quando, em simbiose, ambas vivem uma vida hermeticamente fechada do resto do mundo.

Eu não vou desistir da relação de equilíbrio entre duas crescidas. Afinal as outras formas são fantasias de alegria e facilmente escondem ainda mais frustrações e problemas. Além do mais, garotas e garotos, as crescidas são infinitamente mais interessantes.

Meu barato vai ser treinar pra quem sabe um dia saber cuidar bem do meu amor sem me deixar de lado. E no meu sonho, ela fará o mesmo. Puro equilíbrio e sabedoria no mundo fantástico d’Ela.

Por Ele

O que admiro NElas, no geral, e nesse caso na representatividade d’Ela, é como os valores de persistência, paciência e perseverança se aplicam bem quando o assunto é relacionamento.

O homem gay, preconceituosamente, resume essas questões de perseverança para a relação como D.R. Mas discutir a relação as vezes faz parte, não é verdade? Discutir a relação é ajustar ponteiros, não ser omisso à própria relação e – inclusive – é sinal de que o relacionamento tem uma importância.

Acontece que o gay vende uma imagem do “desapegado”, do livre e daquele que não precisa de um companheiro. Lança muito da necessidade de companhia nas amizades gays e, inclusive, vira e mexe mistura amizade franca com paixão enrustida. Mas porque é isso: homem gay precisa seguir nessa linha livre e desapegada e, por outro lado, acaba ficando e até transando com amigos quando bate “aquela carência”.

Para mim, são questões de conceitos. Amizade é um pilar, paquera é outro e namorado é um terceiro. Isso é questão de conduta, e até de respeito ao outro e respeito a si.

Gays são bons, no geral, para depositar valores de persistência e perseverança no trabalho mas pecam bastante quando a ideia é o companheirismo.

De certa maneira, invejo Ela pela predisposição e abertura para viver relacionamentos. Sejam as discussões de relação ou as flores, sejam os altos e baixos, isso é se relacionar.

 

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s